Buscar
  • fisioandreviegas

Perturbação de Hiperatividade/Défice de Atenção (PH/DA)

A Perturbação de Hiperatividade/Défice de Atenção (PH/DA) amplamente estudada em idade escolar, é uma das formas de psicopatologia mais diagnosticada durante a infância.

Estima-se que entre 3 a 7% das crianças em idade escolar preencham os critérios de diagnóstico para a PH/DA e que exista uma prevalência superior no sexo masculino, que pode oscilar entre 2:1 em estudos da comunidade e 9:1 em estudos clínicos.

Trata-se uma perturbação do neuro desenvolvimento que resulta de alterações no funcionamento do sistema nervoso.

A PH/DA é habitualmente diagnosticada na idade escolar porque nessa altura passa a existir uma maior exigência de controlo do comportamento e de persistência nas tarefas.

As crianças com PH/DA têm alguns dos sintomas indicados a seguir, muitas vezes referidos como "preguiça", "falta de empenho" , “ falta de educação” ou "imaturidade" da criança podendo haver apenas défice de atenção sem hiperatividade.

Sinais de alerta mais frequentes:

  • dificuldade para se concentrar num só estímulo;

  • dificuldade em prestar atenção a detalhes;

  • frequentemente não acompanha instruções;

  • frequentemente parece não escutar ninguém mesmo quando dirigido a si;

  • frequentes esquecimentos no dia-a-dia;

  • distrair-se facilmente com objetos alheios à tarefa;

  • dificuldade para organizar as tarefas ou o trabalho;

  • dificuldade para manter uma estrutura ou uma rotina;

  • mexe mãos e pernas excessivamente em situações inadequadas;

  • não permanecer sentado por muito tempo;

  • frequentemente corre ou sobe em locais inapropriados;

  • impulsividade com frequentes respostas antes de tempo;

  • dificuldade em esperar pela vez;

  • atividades longas e complexas rapidamente tornam-se desmotivantes;

  • frequentemente intromete-se ou interrompe os assuntos dos outros;

  • recusa por tarefas que exigem esforço cognitivo continuado.

Por ser uma perturbação do desenvolvimento, a PH/DA manifesta-se antes dos 12 anos, podendo ser evidente na idade pré-escolar. Para além disso, as queixas devem estar presentes em pelo menos dois contextos diferentes (como a escola e em casa) e devem ter consequências significativas no dia a dia da criança, seja do ponto de vista social, seja no desempenho académico.


O diagnóstico da PH/DA baseia-se na identificação e caracterização dos sintomas ao longo do tempo e em diferentes situações e ambientes. Os critérios para o diagnóstico da PHDA baseiam-se na presença de sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade.


Para o diagnóstico, é necessário que existam pelo menos 6 sintomas de desatenção ou hiperatividade - impulsividade, com uma duração superior a 6 meses, com as primeiras manifestações antes dos 12 anos de idade, presentes em pelo menos dois contextos ambientais da criança (por exemplo em casa e na escola). Por este motivo, é importante avaliar a história de cada criança de forma cuidada.

Outro aspeto muito importante é o impacto que os sintomas têm no dia a dia - para haver diagnóstico é necessário que estes sintomas perturbem de forma significativa o desempenho, tanto a nível académico como social. Estes sintomas não devem poder ser explicados por outras perturbações do neurodesenvolvimento ou perturbações emocionais, que é preciso distinguir.

No processo de avaliação, são utilizados questionários que permitem quantificar os comportamentos e compará-los com o que é habitual nas crianças da mesma idade. São usualmente preenchidos por pais e professores, de forma a obter informação de dois contextos.

**A RETER:

  • A Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção não é falta de concentração por falta de empenho ou um comportamento indisciplinado resultante da educação dada pelos pais.

  • Educar alguém com PHDA é um desafio enorme.

  • Pedir a uma pessoa Hiperativa para se concentrar e organizar é semelhante a alguém magoado num pé que se esforce para correr depressa!

  • Se tem suspeitas de que o seu filho possa ter PH/DA não hesite em procurar um profissional com quem possa partilhar as suas duvidas e receios e pedir uma avaliação.

Vera Carnapete, Psicóloga

0 visualização